Análise do filme: Eraserhead (1977)- David Lynch

analise eraserhead David Lynch

PRÓLOGO.

Eraserhead inicia com um devaneio de Henry Spencer, interpretado por Jack Nance. Como num transe, olha atentamente o céu, e em sua visão, adentra um velho barraco em meio a uma fenda num mundo distante habitado por uma figura asquerosa e doente, cheio de ulceras na pele sentado em um canto apertado e escuro, olhando pela janela. Maneja alavancas como se estas detivesse o poder sobre o próprio pensamento PORTAL ALEXANDRIAde Henry. De repente, Henry Spencer, abre a boca e sai de dentro dele uma forma flutuante, que se assemelha a um filhote de pássaro ligado a um cordão umbilical humano. Quando o ser asqueroso e doente aciona as alavancas de seu barraco escuro, a forma que sai da boca de Henry cai no chão em uma poça de aguas profundas. E o que vemos depois, é um buraco claro que dá início à estória do filme.Eraserhead

Essa visão, além da atmosfera onírica e confusa do filme, revela que Henry está em solilóquio; todo o filme é um retrato da sua psique: seus medos, inseguranças e desconfortos. Aliás, do começo ao fim, o filme é um desconforto angustiante.

Henry Spencer caminha angustiado em uma cidade industrial que parece possuir o próprio caminho de Henry, como se os buracos no chão delimitasse todos os passos e traçasse as possibilidades do seu “destino”. Toda a atmosfera do filme se assemelha a uma nevoa cinzenta que se agita no ar, e todas as construções possuem uma estética industrial. Um mundo confuso, bagunçado, feio e caótico.

APRECIAÇÃO.

Eraserhead se apresenta como uma alegoria ao caos moderno industrial e as relações sociais que são geradas por esse mundo. Henry, sempre deslocado, angustiado e inseguro, fugindo em seus pensamentos e devaneios. Preso emocionalmente a sua namorada, Mary X, que o trata como um fardo, obrigada a casar com ele por gerar um rebento deformado. Filha, mulher e mãe frágil, ordinária e egoísta que não se conforma com o rumo de sua vida e procura a quem descontar suas angustias (Henry).

Henry representa o típico homem da sociedade industrial que se anestesia, de várias formas, da realidade. Protagoniza alguns dos principais temores masculinos: conhecer os pais da namorada, e os desafios de construir e manter uma família, coisa que o próprio David Lynch não conseguiu na sua vida pessoal, durante a produção do filme. Na cena do jantar na casa de Mary X, fica evidente que sua família, mal estruturada e sem diálogos, fazia uma tentativa mal sucedida para parecer feliz, coisa que só os cachorros na casa conseguiam, alias é a única imagem agradável no filme. Henry se sente sufocado diante daquele casamento forçado e o desafio de cuidar de um filho, procura alguma perspectiva olhando pela janela e percebe que esta está coberta por tijolos, simbolizando que não há saída.Eraserhead - Legendado

A sedutora vizinha de Henry representa o desejo pelo novo, pelo misterioso e pelo perigo. E ao mesmo tempo, o medo de tentar se aventurar no desconhecido.

O filho deformado, um fruto de um relacionamento débil. É a própria estética da sociedade: frágil, mimado, doente, sádico e condenado. Será sacrificado sem nem mesmo ter culpa de sua existência e de suas desgraças.

FECHAMENTO.

O filme chega ao seu ápice, quando Henry Spencer, em um devaneio, sonha com a pequena e bochechuda moça do aquecedor, cantando “No paraíso tudo é perfeito, no paraíso tudo é bom…”. Pouco depois, a cabeça de Henry cai de seu pescoço e atravessa o chão caindo do céu em uma rua, onde um garoto pega correndo a cabeça e a leva para uma fábrica de lápis, que usa o cérebro de Henry para fabricar borrachas escolares que são acoplados nas pontas dos lápis. Como se sua cabeça fosse capaz de apagar todos os males de sua história e fazer um novo começo.Eraserhead - Legendado PT-BR1

Já acordado, depois de Henry ter se frustrado com o sádico bebê deformado, resolve sacrifica-lo, cortando suas ataduras e apunhalando seus órgãos. O choro do bebe gera um barulho horrendo e as luzes explodem. A cabeça do bebe se transforma num planeta rachando ao meio, e vemos o homem doente na cabana escura, incapaz de acionar as alavancas e controlar o destino de Henry.

Após isso, num lugar muito branco e numa luz forte, Henry encontra a moça do aquecedor que o abraça forte, e vemos o rosto de Henry, abraçando-a, com os olhos fechados, transmitindo a sensação de alivio e conforto, a única do filme.

Eraserhead

Direção/roteiro: David Lynch

EUA – 1977

Horror- Drama- Surreal.

Douglas Fernandes.

Anúncios

Sobre Douglas G. Fernandes

Professor de História graduado pela UNIMESP e Filosofia graduando pela UNIFESP. Autor do Portal Alexandria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: